?

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Happy Birthday, River!


       Num dia como hoje, muitos anos atrás, River Phoenix vinha ao mundo ao som dos aplausos que sempre o acompanhariam... 

                 ...que ele renasça eternamente na sua Arte e no amor e admiração que ainda (e sempre) continua causando em tantos de nós! 

                                                                                 Feliz Aniversário,  River!




quarta-feira, 3 de maio de 2017

Entrevista com River Phoenix/1991 [Legendada]



Por Fabrício Moreira, em 23 de março de 2017:

"Eu legendei uma das poucas entrevistas que o Riv deu pra TV, e a mais "estranha" inclusive. A entrevista que ele deu para Bram van Splunteren e que foi ao ar para uma TV Holandesa em 91, época que ele tava divulgando o filme My Own Private Idaho. A entrevista parece ter sido longa, mas infelizmente, apenas uma parte circula por aqui e eu legendei porque é bem interessante e ao mesmo tempo diferente, pois mostra um lado que foi pouco visto do River, mais sombrio, não sei... Tirem suas conclusões. Na entrevista ele fala de várias coisas sobre a vida dele e em relação ao filme. Desculpa qualquer erro!"


. Valeu, Fabrício! Que venham mais excelentes trabalhos como este! .

domingo, 30 de outubro de 2016

Saudades, River...


Saudades, River...


 

     "Dize-me se o Rio também te comunicou o misterioso fato de que o tempo não existe?..."

(In "Sidarta" de Hermann Hesse)


domingo, 4 de setembro de 2016

"Estrelas de 'Stand By Me' relembram River Phoenix após 30 anos": The Wrap/2016

"Fogos de artifício e brincadeiras: Estrelas de 'Stand By Me' relembram River Phoenix após 30 anos"


Corey Feldman, Wil Wheaton e Jerry O'Connell falam ao The Wrap sobre a diversão com o falecido ator




Por Meriah Doty,


River Phoenix tinha 15 anos na época. Ele morreria sete anos mais tarde, na idade de 23 anos, de uma overdose acidental de drogas.
.
.The Wrap relembrou o filme e Phoenix em conversas com Feldman e outras estrelas do filme - Jerry O'Connell, que foi o protagonista mais jovem no filme aos 11 anos, e Wil Wheaton, que completou 13 anos durante as filmagens.
.
 "Lembro-me que eu imediatamente gostei dele e eu queria que ele gostasse de mim", disse Wil Wheaton, agora um ator de 44 anos de idade e escritor. "River era fácil de se conviver. ... Nossos personagens eram melhores amigos, por isso, apenas fomos também. Foi completamente natural e sem complicações ".

Uma das memórias favoritas de Jerry O'Connell é soltando uma carrada de fogos de artifício com Phoenix e seus outros colegas de elenco. Como os fogos eram legais em Oregon, onde Stand By Me foi filmado, os jovens atores foram para a cidade.
.
."Foi o momento mais feliz da minha adolescência", disse o ator, agora com 42 anos". "Nós enchemos um carro com eles e fomos à casa de River e os acendemos durante toda a noite".

O'Connell disse ao The Wrap como ele manteve viva a tradição de fogos de artifício ao longo dos anos com sua família.

"Nós sempre compramos um monte de fogos de artifício e os acendemos na praia por causa da minha lembrança mais feliz de Stand by Me", disse ele. "A luz no céu de verão em julho agora é exatamente a mesma que era quando estávamos filmando o filme. E não fica escuro até depois de dez horas lá."

Wheaton recordou o dia em que os jovens artistas colocaram todo o mobiliário da piscina de seu hotel embaixo da água. "Nós não simplesmente despejamos os móveis na piscina", explicou ele com uma risada. "Nós os dispomos como se isso fosse concebido para ser assim, como se por acaso fosse debaixo d'água."

Wheaton também se lembrou como Phoenix era dedicado, mesmo com a idade de 15 anos.
.
"Lembro-me que Kiefer [Sutherland] agarra River e joga-o no chão, segurando um cigarro em frente ao seu rosto. Mas Kiefer não estava colocando o cigarro realmente perto do rosto de River, de modo que River disse: "Só ponha isto bem ali. Eu confio em você ... Eu quero usar o medo disso'" ,Wheaton lembrou. "Lembro-me de pensar que isso era uma coisa realmente madura e corajosa e arriscada como ator.

"Havia algo realmente de paz sobre ele", acrescentou do falecido ator. "Ele exalava esta sabedoria."O'Connell disse que seu orgulho sobre o legado do filme é misturado com uma profunda melancolia pela perda de Phoenix.

"Passou na televisão há alguns meses e eu estava com os meus filhos", disse ele. "Meus filhos têm sete agora e eu diria que, em cerca de 20 minutos, eles disseram: 'Isso é chato', e eles se afastaram. Eu fiquei e assisti tudo. Eu tenho que dizer que foi muito emocionante para mim. Quando River desaparece no final é realmente triste para mim. 

A experiência com drogas levou a lugares sombrios não apenas Phoenix, mas também Feldman, que teve uma longa batalha com o vício. Ele está focado em sua música agora, mas ele teve tempo para se lembrar de seu velho amigo.
.
."Fiquei triste quando acabou e nós não permanecemos próximos", disse Feldman de Phoenix. "[Foi] provavelmente por causa de nossas mães e da natureza competitiva inerente que está encravada no relacionamento de crianças na indústria. 

O'Connell, nascido em Nova York, mudou-se para Los Angeles em algum momento da sua vida adulta. apenas há uma quadra de distância de onde ele morreu", disse ele de Phoenix, que morreu na boate Viper Room em West Hollywood. "Eu paro lá e faço uma pequena prece para ele."


Fonte: The Wrap, em 02 de agosto de 2016

  

sábado, 27 de agosto de 2016

Ethan Hawke fala como River Phoenix inspirou um capítulo no seu novo livro






Por Julide Tanriverdi,
 
Quem sabia que Ethan Hawke tinha aversão a regras? Falando à New York Magazine como participante do Vulture Festival, o ator aclamado confessou que que ele já foi "alérgico" a elas. E que é justamente por isso que ele acabou escrevendo o livro Rules for a Knight (Regras para Um Cavaleiro) para seus quatro filhos. Tudo começou quando Hawke teve problemas em introduzir algumas regras em casa.

"Eu estava sonhando com esse cavaleiro que diria a seus filhos como ser um cavaleiro e estes seriam os princípios. Costumava ficar irritado com minha esposa ... dormir é às 20h30, vamos fazer disso uma regra. Não! Vamos falar sobre a importância de ter um bom sono [em vez disso] ".

Durante a ampla conversa, Hawke falou sobre sua vida, seu ofício, e seus próximos projetos, como seu filme mais recente, Born to Be Blue, no qual ele interpreta a lenda do jazz Chet Baker. Ele também refletiu sobre alguns de seus ex-colegas estrelas, incluindo Robin Williams, Philip Seymour Hoffman, e River Phoenix.  

Como se constata, River Phoenix, a quem Hawke conheceu enquanto trabalhava em seu primeiro filme, Explorers, até inspirou um capítulo no livro.


"O narrador está contando a seus filhos sobre um cavaleiro com quem ele conviveu em sua formação", disse Hawke. "E esse cara era um melhor cavaleiro e um melhor espadachim, e as meninas que surgiam gostavam mais dele. E ele simplesmente começou a odiar esse outro cavaleiro. Durante sua primeira ação na batalha, seu amigo é morto. Só então ele percebe que ele fez dele um melhor espadachim. Eles não estavam competindo um com o outro, eles estavam em diálogo um com o outro. E isso para mim foi muitíssimo da minha experiência com River Phoenix ".

Hawke continuou: "Eu o amava e admirava. E estava extremamente enciumado. Atrevo-me a dizer que My Own Private Idaho foi o primeiro desempenho da minha geração no qual alguém da minha época fez algo, algo realmente original. O mundo mudou desde então maravilhosamente, mas ter 23 anos e interpretar um personagem abertamente gay em um filme convencional foi muito ousado, muito corajoso. E ele não pensou duas vezes sobre isso ... E eu estava tão tomado pela inveja. E, de repente, ele morreu e eu estava sentindo falta dele. Faltando o desafio dele. E quantas vezes nós nos vemos em competição com as pessoas ao nosso redor e não entendemos o que estamos fazendo?" 


Fonte: www.vulture.com, em 23 de março de 2016

  

terça-feira, 23 de agosto de 2016


Então, você veio ao mundo e nos deu tanto...


                                                                                                                        23/08/1970


                                        Obrigada, River, meu amor eterno!


"Então me siga, eu serei seu rio, rio, rio..." ('River' de Emeli Sandé)

sábado, 12 de dezembro de 2015

"Lendas das Telas: River Phoenix" (Cherwell/2015)


Patrick Oisin Mulholland lança uma reflexão sobre a tragicamente curta carreira do ícone adolescente




Por Patrick Oisin Mulholland,

O "James Dean vegan". É assim que a cultura popular prefere lembrar River Phoenix, se é que o faz. 

Em outros tempos galã teen, músico e indicado ao Oscar (Melhor Ator Coadjuvante em Running on Empty, 1988), hoje em dia sua memória é um adendo, embora interessante - uma nota de rodapé para a biografia de seu irmão mais novo, Joaquin. Mas River foi mais do que isso, muito mais.  

Em vinte e três curtos anos que ele viveu uma vida enchendo cada "implacável minuto com sessenta segundos do valor da distância percorrida." [N.T.: citação de um poema de Rudyard Kipling] Apenas mais uma estrela infantil destruída dos anos 1980?  

Dificilmente, e essa é a verdadeira tragédia: que alguém tão cheio de vida, tão sintonizado com o pulso e o ritmo do mundo em torno dele poderia ser reduzido a um par de linhas em um obituário e um "você se lembra quem" em recortes de artigos na parte de trás de revistas.

Nascido e criado em uma família de hippies, River teve uma infância incomum, para dizer o mínimo. Filmes como A Costa do Mosquito (1986) encontraram um paralelo improvável em sua própria educação ao lado do culto controverso "Os Meninos de Deus", e cantando nas ruas de Caracas, na Venezuela.  

No entanto, foi o clássico sobre amadurecimento Stand by Me (1986), e o desempenho desarmante de River como Chris Chambers, que marcou o início de sua ascensão à fama. A partir de então, o ativista da PETA mudou-se de vento em popa, não satisfeito em receber seus cheques de pagamento, mas em fazer filmes - filmes que significavam alguma coisa.

Falando para Charlie Rose, Ethan Hawke diz como "My Own Private Idaho (1992) estabeleceu o padrão para os jovens" que estavam construindo uma carreira para si próprios. Este filme independente e atrevido, a história de um garoto de programa, gay e narcoléptico se aventurando em busca de sua mãe perdida, foi uma escolha corajosa de River.  Isso cantou de promessa, apesar de promessa interrompida

É verdade, o brilhantismo de River nunca foi totalmente realizado - nem na música nem nas telas do cinema. No entanto, é a sugestão - aquela idéia do que poderia ter sido - aqueles brinquedos da nossa capacidade indispensável para admirar, que nos leva a formular a questão: "E se?" 


Fonte:  Cherwell, em novembro de 2015